Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

vamos lá falar d'a rede

50868905_2788617084489231_5553052998994755584_n.jp

era uma vez, algures em 2012

nota prévia: esta história tem sete anos. SETE. nesta altura éramos todos muito "novos" nestas coisas do facebook. mas não éramos novos nas redes sociais: já tínhamos passado pelo mirc, pelo windows messenger, pelo hi5, pelo netjovens, pelos blogs e tantas outras. conhecer alguém através da internet não era novidade para muitos de nós que criam e alimentam uma presença numa rede social. 

 

o acidente, a doença, a compaixão, os encontros adiados, a morte

a história ganha consistência pois além da pessoa Sofia Costa que pede amizade a Nuno Ramos de forma acidental (estava só à procura de alguém com o mesmo nome) há uma mãe, uma irmã, uma amiga e o seu marido e um amigo. há perfis criados, há comportamentos na rede social que dão credibilidade a cada uma das pessoas. há uma Sofia e as pessoas à sua volta a validar isto ou aquilo. 

há acidente e uma doença que provoca compaixão. pelo meio, falecem pessoas que não existiam (o pai de Sofia), a própria Sofia e a sua melhor amiga.

os encontros com a Sofia e depois com os familiares foram sempre adiados. podemos, agora, achar estranho que um indíviduo como o Nuno Ramos não questionasse as desculpas para adiar encontros. ao ver a reportagem damo-nos conta que a história estava bem "montada" e envolvia várias pessoas que, tal como o Nuno, acreditavam na existência de uma pessoa, com família, com uma doença como o cancro. tudo parecia natural: as ausências para os tratamentos, as reacções aos tratamentos - as dela e as da família-que-não-existia. 

 

mas como é possível ter uma relação à distância com alguém que não se conhece?

o romantismo de outros tempos, que acontecia via carta ou via telefone, acontece agora com "morada" nas redes sociais. o facebook, lembro, é apenas uma delas. há outras. umas até têm como propósito os encontros (tinder).

quando a história é bem contada e tem suportes é natural que acreditemos. afinal, que motivos temos para desconfiar? sobretudo quando baixamos a guarda e aceitamos "amizade" de toda a gente no facebook, quer conheçamos quer não. hey, eu também faço isso e não me considero uma pessoa ignorante no que respeita às redes sociais. e sublinho: "baixamos a guarda" nesses casos, pois estamos a permitir que alguém, cujas intenções e cujo contexto desconhecemos, entre na nossa vida e tenha acesso a informações nossas. é um risco que corremos, não haja dúvida. um risco que se torna comum, tal como atravessamos a estrada à corrida, quando o sinal até estava vermelho para nós: na maioria das vezes, se não vem nenhum carro, não há problema. não deixa é de ser um risco. 

 

e não estamos a falar de uma brincadeira levada a cabo por miúdos

a responsável pela história é uma mulher com mais de 40 anos, divorciada, mãe e professora no ensino básico. acrescento: com muito tempo livre. para quem trabalha em redes sociais, sabemos perfeitamente o tempo que consome alimentar um perfil de uma marca, para o tornar autêntico e próximo das pessoas. agora imaginem esta senhora que criou cerca de sete perfis na rede social facebook, perfis que tinham o comportamento de qualquer pessoa como eu ou tu, que estás aí a ler esta publicação...  esta senhora devia abandonar o ensino e dedicar-te ao marketing, à criação de personas #ironyAlert

 

o desfecho na justiça

a responsável da história é levada a tribunal pela pessoa enganada (o Nuno) e a pessoa cuja imagem foi usada de forma abusiva (a Cláudia). e há lugar a um pedido de desculpas, meia dúzia de trocos para compensação dos danos (que foram entregues à Santa Casa). isso também é assustador, pensar que a lei não tem uma acção mais dura com quem andou durante dois anos a usar imagem de outra pessoa, a enganar "meio mundo", construindo histórias credíveis, usando vários telemóveis, simulando vozes ao telefone. 

acresce que essa senhora é professora do ensino básico. trabalha com crianças. que pessoa é ela em sala de aula? que valores transmite e defende diariamente? também diz ao seus alunos que "é feio mentir?".

 

 

 

fica aqui o 3º episódio d'a rede. vejam também os outros. 

foto: facebook d'A Gaja

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D