Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

Trovanito

tumblr_dfc85a3c32b7bf17252142ac44253933_be991222_5

o Trovão começou a habitar o terreno numa parceria conjunta entre a senhora que me deu à luz e o dono do Trovão. um win / win: o Trovão tem comida e o terreno fica limpo. 

a primeira vez que o Trovão foi para o terreno foi há uns 3 ou 4 anos. não me lembro bem e sou péssima para datas. 

não tinha ideia de como seria a relação entre um cavalo e as pessoas e para mim foi uma surpresa ver como ele reconhecia a minha mãe e até a minha voz. comia da nossa mão e deitava-se no chão, a rebolar, quando estava muito contente. não reagia ao félix e o félix também não reagia ao Trovanito, quando se encontravam no terreno.

há dias o Trovão adoeceu e em apenas dois dias a situação agravou-se e acabou por falecer. nunca pensei chorar por causa de um cavalo. não era um cavalo qualquer, era o Trovanito. 

que companheiro. 

o significado do aniversário

D8FCHj-U8AAFZE-.jpg

cá em casa nunca houve o hábito de fazer festas de aniversário. eram coisas dispendiosas e manteve-se a tradição de apagar as velas e comer uma fatia de bolo, em família. há muitas fotografias desses tempos: eu a soprar as velas, ao lado do mano - e ele a soprar as velas do bolo dele, comigo a seu lado. o mano faz anos a 30 de maio e eu a 2 de junho. três anos de diferença e tantas diferenças. e uma sintonia estranha.

 

e eis que fiz 40 anos. é mesmo só um número, pois não sinto assim nada de diferente. para celebrar fui fazer 4 tatuagens, uma por cada década de vida (mentira, fui fazer 4 rabiscos pois fica-me mais em conta e o rapaz dá uso à agulha como deve ser). marquei a sessão com alguma antecedência pois precisava perceber se o que tinha no mealheiro chegava para o que queria fazer. não comentei com ninguém, mas percebendo que o mano estava de férias, mandei sms: "queres vir comigo? vou fazer umas tattoos?" ao que o mano respondeu que estava ocupado e não ia dar. 

 

mais tarde ele mandou uma foto com a razão da sua "ocupação": pois é, também ele tinha ido tatuar-se, sem dizer nada a ninguém. "somos mesmo irmãos". e somos. com tudo o que temos de diferente, há coisas que são muito nossas. 

 

os manos Sousa são assim: comemoram o aniversário em silêncio, com tatuagens ou com o que lhes apetecer. deixámos de soprar velas há uns anos, mas isso não significa que não haja outros momentos doces, em família. 

 

bebinca_bulabula.jpg

 

 

 

fazer a revisão

 

12417646_10207723775184683_488155501577506043_n.jp

 

na semana passada o ornatos foi à revisão: a matrícula é de 2012 e estava na altura da segunda revisão da sua vida tão violeta. 

comentei com mamãe Sabel, numa de colocarmos a conversa em dia. o que fizeste, o que aconteceu e blá-blá-blá afins. "ah e hoje fui à ginecologista, consulta de rotina", acrescentei. e mamãe saiu-se com esta:

 

"está certo: foi tudo fazer a revisão, tu, o carro. e tudo sem anomalias".

 

simplifiquemos as coisas, minha gente. a visita ao médico ginecologista deve acontecer anualmente, numa perspectiva de prevenção ou sempre que haja algo que nos parece menos bem, com o nosso corpo. não vamos falar do desagradável que é o "querido" papanicolau, que nos faz sentir mulheres. ou mesmo das eco com sonda. hey, but a girl has got to do what a girl has got to do.

acreditem que vale a pena "picar o ponto" anualmente, nesta consulta. arriscam-se a descobrir que têm uns ovários muito bonitos (sou tão bonita por dentro).

ah e não esqueçam de apalpar as vossas mamas. sim, isso mesmo. leram bem. 

as idas ao médico deveriam ser, sobretudo, actos de rotina, numa perspectiva preventiva. combinado? 

 

:: 19 ::

1014474_1446742525566482_5526200961405266112_n.jpg

 

18488201_Lys6a.jpeg

 

em 1998, a cadela dos pais de um amigo teve uma ninhada. pouco tempo antes, o meu avô tinha tido um avc, ficando com a fala afectada. como passava muito tempo na horta, sozinho, precisava de uma companhia com quem falar. o Farrusco entrou, assim, na nossa vida.

entretanto, a minha avó faleceu. uns tempos depois, o meu avô adoeceu e o Farrusco veio morar cá para casa. viveu com os cães que fizeram parte da minha durante estes 19 anos. foi sempre muito sociável, com pessoas e cães. 

enjoava quando andava de carro. ir ao veterinário era uma tortura. gostava de todos os tipos de fruta. tinha mau hálito. aturou o Friqui Dog e o seu mau feitio. o Félix e a sua energia imparável. 

nos últimos meses, o Farrusco deixou de andar, de ver, de ouvir. mas comia bem: às 19h começava a ladrar para jantar. estava consciente, mas muito debilitado. o Félix e o Friqui foram sempre uns amores: aqueciam-no, dormiam com ele. à sua maneira, cuidavam dele. 

 

uma despedida nunca é fácil. e nestes momentos pensamos sempre que ter animais de estimação é doloroso. quando morrem é doloroso. ficam os 19 anos, as boas memórias e algumas fotografias.

 

já tenho saudades. 

 

dupla f e f 002.JPG