Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

#cenasfixespara

ver

merlin_164868852_1bfc68a4-f644-4f19-b724-e8da3af9c

está na netflix e, por mim, podia ter sido o substituto do "sound of music", na tarde de natal. um filme com papas, com humanidade, com platão, com besame mucho, com futebol e paixão, com o dancing queen dos abba... e com estes dois senhores actores que nos deixam rendidos à interpretação e à maneira como dão forma e conteúdo a bento xvi e a francisco.

 

*

 

entretanto, a Renascença partilhou este artigo sobre a ficção e a realidade no filme "dois papas", que contém spoilers para quem ainda não viu.

fonte da imagem: New Yort Times

the irishman

the_irishmanjpg

 

é um Scorsese e está na Netflix - isto, só por si, basta para que se escreva muito sobre o assunto, mesmo sem ver o filme. 

é um Scorsese e tem mais de 3h e as 'ssoas vão fazer pausa e ver aos bocadinhos - sacrilégio! e isto, só por si, basta para que se escreva muito sobre o assunto, mesmo sem ver o filme. 

é um belíssimo filme, com grandes actores - isto, só por si, basta para que se subscreva a Netflix (podem fazê-lo gratuitamente durante 30 dias) e que se façam as pausas necessárias durante o mesmo. não foi só o espectador que mudou, também o cinema mudou: agora há intervalos, pausas que o espectador não escolhe, mesmo depois de pagar o bilhete. 

 

 

#cenasfixespara

ver e parar para pensar

chama-se OUTRA ESCOLA e é uma série documental da RTP2. relata-nos casos de escolas, de ambientes e geografias diferentes. dá voz e vez aos alunos e professores. pergunta e provoca. afinal, que escola(s) temos? que escola(s) queremos? 

 

podem acompanhar na RTP PLAY.

#cenasfixespara

VER, PENSAR, CHORAR, RIR

joker-steps.jpeg

quando fui ver o Joker já muito se tinha escrito sobre o filme. elogios, muitos. comentários menos elogiosos, outro tanto.

tenho um encanto pelo actor joaquin phoenix e confesso que tinha expectativas altas com a sua performance. conheço pouco da história da BD e do Joker em si - só mesmo de filmes como o Batman ou a Suicide Squad. por isso, não estava preocupada com os pormenores da história ser ou não ser fiel à BD. a intenção era ver um filme e pronto. 

saí da sala sem saber o que pensar ou o que dizer sobre o filme. há ali muita coisa que vai além do Joker. há um Arthur Fleck que vive num mundo onde não há lugar para os loucos, pois há uma maioria de "não loucos" (será?) que determinam o que é e o que não é normal.

há uma história que alguém me contou ou que li, não sei precisar, sobre a loucura e que diz muito sobre o Fleck.

um homem passeava nos jardins de um manicómio e aproximou-se das grades. do outro lado, passava uma pessoa. o homem interpelou essa pessoa e perguntou: "desculpe incomodar, mas como é que vocês vivem aí dentro?" 

 

 

 

 

#cenasfixespara

VER

 

- once upon a time... in hollywood

tarantino.png

 

já li um pouco de tudo sobre o filme: desde críticas extremamente positivas a críticas de quem ficou com um sabor amargo na boca depois de ver o filme.

first things first: é um Tarantino. e isso por si traz um selo de qualidade ou a garantia de que será uma peça única. se é o melhor dos Tarantinos? não é, do meu ponto de vista. e reparem que o meu critério é apenas isto: os diálogos. há outros Tarantinos que me conquistaram pelos diálogos, pelo seu conteúdo, pela forma como surgem na história.

este não é um filme com esse tipo de diálogos, com um ou outro momento de excepção. mas há a Brandy, há um DiCaprio e um Pit que têm um papel que "sim, senhor". há a banda sonora e os planos, as sequências muito tarantinas. 

é uma cena fixe para ver. se vão gostar ou não da mesma forma como gostaram dos outros Tarantinos, meus amores, não posso garantir. 

e já que aqui estão, leiam o que Slade tem a dizer sobre o filme

 

 

 

 

#cenasfixespara

AJUDAR A MUDAR O MUNDO

 

conhecem a animais de rua? pois bem, é uma associação que abraçou a causa animal e que todos os dias tenta mudar o mundo à sua volta:

A Associação Animais de Rua ajuda muitos milhares de animais nas ruas, esterilizando-os para que não se reproduzam, tratando-os quando estão doentes e alimentando-os. Promovemos o convívio pacífico entre os animais e as pessoas, em respeito pelo bem-estar animal e a saúde pública.

a animais de rua já tem à venda a sua agenda e calendário 2020: ao encomendar agora, recebemos a agenda e/ou o calendário a partir do dia 10 de outubro,

eis a informação disponível no website:

 

A Agenda 2020 é uma homenagem aos 17 municípios e freguesias com os quais a Animais de Rua colabora nas políticas públicas de bem-estar animal, com a participação de 17 personalidades públicas portuguesas que fotografaram com animais que, pela sua condição física, não são selecionados para adoção, acabando muitas vezes as suas vidas nos canis municipais. 

Ilustração - Kruella D'Enfer
Design Gráfico - Joana Marques da Cruz
Fotografia - Menina e Moça

No Calendário 2020 figuram animais acolhidos no santuário da Associação Quinta das Águias, com pequenas histórias sobre cada um.
Fotografia - Manuel Malva
Ilustração - Catarina Lopes
Design Gráfico - Ana Cristina Silva 

 

#cenasfixespara

OUVIR, PENSAR, APRENDER, DESCONSTRUIR

conheci o Isaac através do programa Só Que Não, da RTP. aquele programa dos amarelos, onde também participei, recordam-se? a verdade é que ainda não estivemos juntos, mas seguimo-nos no twitter e no instagram e vamos acompanhando a vida um do outro. temos algumas coisas em comum: os cães e as tatuagens. 

somos muito diferentes. o Isaac é uma 'ssoa trans. bom, antes de tudo é uma 'ssoa humana e é uma 'ssoa trans. isso define-o, faz parte da sua identidade. é uma 'ssoa trans com coragem e à vontade suficiente para falar da sua experiência de vida, para esclarecer outras 'ssoas que estejam a passar por algo semelhante. nem todos têm de o fazer, mas é de valorizar quem o faz. 

 

T Guys Cuddle Too é um projecto que

"pretende ser um espaço de informação, debate e partilha de temas pertinentes para a comunidade LGBTI com maior incidência em assuntos relativos à comunidade Trans."

 

podem subscrever o canal por aqui e ir acompanhando o Isaac no Twitter ou no Instagram bem como o Ary, a 'ssoa que o acompanha neste canal.

 

Captura de ecrã 2019-09-17, às 20.36.50.png

já agora, aqui fica uma lista de livros (em inglês) que podem ajudar a abordar o tema junto de crianças e jovens: 

5 Children’s Books with a Transgender Theme

#cenasfixespara

YOGAR e AJUDAR

yoga_bigodes_fofos.jp

pode ler-se no evento do facebook:

No dia 14 de Setembro vamos todos praticar yôga numa aula solidária a favor da Associação Bigodes Fofos, onde o valor será um donativo.

A Rita Cabrita será a instrutora que dará a aula, adequada a quem nunca fez, iniciantes ou avançados.

O trabalho da Associação Bigodes Fofos passa essencialmente por resgatar gatos abandonados ou doentes para serem devidamente tratados e encaminhados para adopção. As necessidades actuais são, entre outras, ração seca, comida húmida e latinhas gourmet mousse - estas duas últimas mais urgentes de momento pois têm vários gatos ao seu cuidado sem dentes.

 

 

 

 

#cenasfixespara

VER

 

- diagnosis, uma série netflix 

 

mostra-nos como é possível partilhar e pedir ajuda à comunidade (médica e não médica) sobre doenças raras. ter uma doença que, permitam-me a expressão, não vem nos livros é aflitivo enquanto paciente. precisamos de um nome, de uma causa e de um tratamento.

com os artigos publicados no The NY Times a dra. Lisa Sanders permitiu que doentes e familiares com doenças raras encontrassem respostas e, acima de tudo, uma comunidade que pode entender, apoiar e partilhar experiências semelhantes.

comunidade. a dra. Lisa chama-lhe “crowd” e ao processo chama “crowdsourcing”. este projecto permite que os sintomas sejam lidos e interpretações sem os viés habituais. permite que se descubra que no outro lado do mundo há alguém com os mesmos sintomas e sem nome a dar à sua doença.

os episódios que vi até agora mostram um cuidado muito grande em apresentar perspectivas do paciente e do médico, bem como uma grande generosidade da comunidade no sentido deajudar alguém e de apresentar hipóteses. e esperança.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D