Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

" Como é que uma escrita vulgar é igualmente excêntrica? Quando nos surpreende."

"A estranheza perante Conan Osiris leva-nos a procurar referências que se lhe ajustem. A mais imediata será António Variações, mas não, Conan não é uma variação do Variações. Desde logo porque não tem Pedro Ayres Magalhães algum a domesticar o indomesticável (e isso sucedeu com Variações, embora António fosse um aluno que sempre acrescentou mais e mais, desobediente e grandioso ao ponto de fazer esquecer as regras de um jogo pequenino. Ultrapassou tudo e todos). Conan tem consigo a mesma bagagem do inesperado, em escala ainda mais acelerada e isso corre sempre a seu favor. Sobretudo porque há quem o não perceba. Conan não é para perceber, não é mainstream e faz mais por todas as expressões artísticas que todos os consagrados que passam a vida, que remédio, a auto-consagrarem-se. Espécie de movimento perpétuo do nada. Conan vai na direcção oposta. Em tudo o que toca e canta há um sabor popular que se encontra nas velhas cantadeiras portuguesa, russas, búlgaras. Que sei eu... As letras são poemas excêntricos e vulgares. Como é que uma escrita vulgar é igualmente excêntrica? Quando nos surpreende.

 

Eu parti o telemóvel
A tentar ligar para o céu
Pa' saber se eu mato a saudade
Ou quem morre sou eu

E quem mata quem
Quem mata quem mata?
Quem mata quem?
Nem eu sei
Quando eu souber, eu não ligo a mais ninguém

E se a vida ligar
Se a vida mandar mensagem
Se ela não parar
E tu não tiveres coragem de atender
Tu já sabes o que é que vai acontecer

Eu vou descer a minha escada
Vou estragar o telemóvel
O telele
Eu vou partir o telemóvel
O teu e o meu
E eu vou estragar o telemóvel
Eu quero viver e escangalhar o telemóvel

E se eu partir o telemóvel?
Eu só parto aquilo que é meu
'Tou para ver se a saudade morre
Vai na volta, quem morre sou eu

Quem mata quem mata?
Eu nem sei
A chibaria nunca viu nascer ninguém

Eu partia telemóveis
Mas eu nunca mais parto o meu
Eu sei que a saudade 'tá morta
Quem mandou a flecha fui eu
Quem mandou a flecha fui eu
Fui eu

 

Quem se dedicar à vaca da hermenêutica deste poema está condenado a estragar tudo. 
Para mim, ouvir Conan é um gozo que se espalha pelo meu corpo, mesmo que incapaz de dançar como o belo rapaz que acompanha o belo Conan.

 

Espero que ganhe a Eurovisão e que se represente como é: um meteorito caído no centro da cabeça de cada um, em especial de todos. Avé Conan, o multidisciplinar despreocupado com explicações que não são para aqui chamadas. De resto, poucos são os artistas que não metem água ao explicar o que fazem. Poucos são os que apontam para a obra e, calados, se afastam sem dar uma pista que seja."

 

texto de Fátima Rolo Duarte (no facebook)

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D