Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

o mundo é um bidé

exhibit 1 

 

IMG_5733.jpg

 

exhibit 2

 

combino cinema com C. - que vim a descobrir conhece S., N e M., meus amigos de longa data (e mais uma mão cheia de gente). saímos do cinema, vamos beber um café. encontro, do nada, a  M. e o I., amigos da vida kizombeira. 

 

exhibit 3 

 

formação. colega do lado conhece-me do evento X - confesso que reconheci a cara mas não me lembrava de onde. outra colega conhece a C., com quem fez formação no princípio do ano. 

 

 

o mundo é mesmo muito pequeno. e gosto de pensar que neste meu pequeno mundo tenho a companhia de 'ssoas muito enormes. isso é fixe, sim. 

 

 

 

 

 

a minha escolha de 2014

interstelar.jpg

 

interstellar.

o filme de christopher nolan, com mcConaughey, hathaway e damon (entre outros).

foi grande o "buzz" à volta do filme - e tive mesmo que ir ver, para poder perceber do que falavam. saí da sala sem palavras, a digerir e a pensar sobre aquilo que tinha visto.

com alguma distância, posso dizer que - apesar de acusarem o filme de "dar a papinha feita" ao espectador" - a mais valia do filme é levantar questões. éticas, metafísicas.

que futuro? que passado? que presente? e o que é que faz de nós seres humanos, pessoas humanas inteiras e conscientes?

 

e "essa coisa" chamada amor - que poderes, que barreiras, que limites? 

 

com estas perguntas todas vou construir um castelo, tal como o poeta fazia com as pedras. 

 

ah. e depois o filme é também uma boa peça de cinema, que vale a pena ser visto no grande écran. 

 

 

interstelar

não sei se consigo falar muito sobre este filme. fui vê-lo depois de muito ler e ouvir falar sobre ele. fiz poucas perguntas e fui investigar. 

saí da sala sem grandes palavras. muita informação para processar. muitos dados. o tempo, a gravidade, a relatividade, o espaço. a mentira em nome de uma verdade (maior?). o amor. o amor. f-se, o amor. 

vale muito a pena ir ver o filme, sim. 

e o matthew mcconaughey  é muito enorme, sim. 

 

(eu avisei que não ia conseguir dizer muitas coisas sobre o filme) 

 

a cultura. e a culturazinha.

tive a oportunidade de frequentar uma oficina de escrita criativa, com uma escritora do momento. confesso que não fazia ideia quem seria a senhora, nunca tinha ouvido falar dela: pelo menos, não tinha fixado o seu nome. fiquei impressionada com a quantidade de livros que já escreveu: é bom saber que numa sociedade de informação acelerada ainda há muita coisa que me escapa: ou seja, há muito por descobrir.

 

às páginas tantas falava-se de cultura, do acesso a esta para o cidadão comum. criticamos o português que consome tudo o que é museu no estrangeiro, mas que nunca entrou num Museu Nacional de Arte Antiga, por exemplo. e de facto, nós desprezamos um bocadinho o que é nosso. talvez por acharmos que aqui está tudo sempre à mão, vamos adiando as visitas e acabamos por conhecer mais quando vamos visitar Barcelona ou Londres, do que propriamente em Lisboa ou no Porto.

 

a conversa continuou. a dada altura, veio a questão do futebol e dos festivais de música: os estádios estão sempre cheios e os festivais esgotam. verdade, mas isso não é - também - cultura? tive que intervir. e dizer que não concordo com essa postura de que a cultura tem que ser uma coisa intelectualóide por si. o futebol também é cultura, a música também. e disse ainda «eu faço um esforço para ir a um festival de música, no verão, porque para mim isso também é cultura. e adoro assistir a jogos de futebol no estádio, e vou ao teatro»

 

atrás de mim estava sentado um actor conhecido - mas confesso que também não sei o seu nome. ele tocou-me no ombro e disse: então e diga lá qual foi a última peça de teatro que viu?

eu virei-me para trás e disse: só nos últimos 15 dias? vi o Coriolano no TNDM II e as 4 peças em cena neste mês no Teatro Rápido.

 

e o senhor disse: «ah muito bem».

 

exacto. muito bem. felizmente ainda consigo ter acesso à cultura, nas suas mais diversas manifestações: começo a fazer um mealheiro ALIVE em Julho, para o no seguinte poder estar presente no festival. quando tenho o dinheiro para o bilhete, começo a fazer o mealheiro do pocket money para gastar no festival. sempre que um amigo falha a presença no estádio da Luz, eu aproveito o red pass dele para aplaudir os pukaninos. aproveito os dias do espectador para ir ao teatro por metade do preço; no Teatro Rápido tenho acesso PRESS (porque em troca escrevo artigos para a Rua de Baixo que não são remunerados - sim, é voluntariado!). tenho um cartão de cinema que acumula pontos e me permite ir ao cinema por 5€. desta forma, procuro que a cultura não me falte "à mesa". toda a espécie de cultura. a de massas e a outra.

 

além disto, apesar de ter uma licenciatura, duas pós graduações, um mestrado e artigos publicados em revistas e livros (na área da Filosofia, ainda por cima!) estou a aprender a dançar kizomba e gosto de sair à noite para dançar.

 

se calhar não devia, né? sendo eu (supostamente) uma intelectualóide...

 

e já agora, das últimas vezes que fui ao TNDMII as sessões estavam esgotadas - afinal, isso não acontece só nos festivais ou nos concertos.

Blue-Moon-Jasmine

 
 
cruel e deprimente, com muito prozac e platão às pazadas. para quem não acredita em finais felizes, é bom que se deixe aqui o alerta.  Blue Jasmine mostra-nos uma mulher capaz de abandonar tudo por amor, capaz de cegar por amor, capaz de acompanhar o homem da sua vida por amor, capaz de o denunciar por amor, capaz de se destruir por desamor, (in)capaz de começar de novo por amor. uma mulher que mente, que sente a verdade e a pinta de outra cor, que é encontrada a falar sozinha. por amor. cruel e deprimente - já vos tinha dito? tão próximo da vida, por vezes.

girls night out

 

Lady Bug: então, onde estão?

Grávida 1: estamos no continente

Lady Bug: vale a pena ir ter convosco ou espero na bilheteira?

Grávida 1: vem aqui ter, a Grávida 2 ainda não está despachada

Lady Bug: onde estão exactamente?

Grávida 1: na secção de roupa de criança

Lady Bug: pergunta parva. haviam de estar onde? na secção de preservativos? aliás se lá tivessem passado há uns meses não estavam assim...

fomos ver o filme do Steve Jobs

 
e Steve, foi isto que conseguiste: três amigas, sentadas à volta da mesa, de volta dos iKoisos para registar o momento para a posteridade. não sei se era isto que te motivava... bom, o filme revelou-me um Steve Jobs que conseguia ver muito mais além que os seus pares, que enganou os amigos para conseguir ficar com mais dinheiro, que só comia fruta, que negou a sua filha, profundamente criativo, profundamente exigente com os outros... eu até o percebo, quando imagino uma coisa só páro quando ela acontece.
 
Jobs era do verbo ir, do verbo fazer-acontecer. sacrificou a sua vida pessoal por causa disso? sim, se calhar durante uns tempos, mas teve o seu despertar quando foi «convidado» a afastar-se da sua própria empresa.
ninguém é profeta em casa própria e as grandes mentes são grandes por algum motivo: às vezes têm coisas que não se percebem como o facto de não gostar de usar sapatos (Steve, eu compreendo... a cena de não tomar banhinho é que não!!)
 
Here's to the crazy ones - Jobs era um deles. tinha visão, tinha saber. tinha uma forma de andar um tanto ou quanto estranha. criou um império, estava sempre dois passos (ou três) mais à frente. a dada altura, no filme, ele reclama com um dos sócios ou administradores (?) sobre o preço do produto para o consumidor. sim, a Apple revolucionou o mundo e tudo o mais, criou aparelhos que se tornaram na extensão das pessoas, mas durante muito tempo era um produto só para quem tinha muito dinheiro e era sinal de um certo estatuto e life style. hoje em dia, com tantas campanhas e produtos novos, despacham-se produtos «antigos» ao peço da uva mijona ou ao abrigo de campanhas muito «em conta».
 
«Also I like Steve, his marketing how he can convince people to buy something for double the price of what its worth is amazing!» - este foi um dos comentários que encontrei a um dos vídeos sobre a apresentação do iPhone.
 
o filme tornou-se numa boa introdução para conhecer a mítica personagem. dizem que o livro vale muito a pena. quem sabe, um dia compro o livro. ou um Mac.
 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D