Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

e lá estava eu. com o'rolos na cabeça, a falar em directo na marcoensefm


o @tiagopresley pediu: ah e tal, liguem. e eu liguei. pedi uma musiquinha para o Roberto (uma pista para adivinharem a música: quem canta assim não é Gaga!) e ainda tive oportunidade de divulgar os projectos @twitt_tribuh e @rt_action, que promovem acções de solidariedade e responsabilidade social (como o #twittmedula, por exº).

o Tiago Presley é um jovem empreendedor, criativo e com muita vontade de participar em projectos e dar voz a quem comunga deste espírito.

aos sábados, das 11h-12h não percam o seu programa na marcoensefm. e peçam uma musiquinha, com ce'teza! (com ou sem rolos na cabeça... mas liguem!)

Cartas.


comédia romântica, antecedida de uma salada saudável de forma a não deprimir com a ideia de que ai-estou-gorda-e-ninguém-olha-para-mim.
uma história simples, simpática e com o giraço do Gael GB a animar a vista, polvilhada por pipocas (salgadas e doces, porque a vida é feita de opostos, remember?)
os finais são felizes.
a prova efectiva de que o mundo é um bidé passa pelo encontro de duas formandas no WC dos cinemas.
tempo houve ainda para um afogatto e um mocaccino.

e chegar a casa e (re)descobrir um texto (meu) do qual já não me lembrava.
uma carta, ou uma espécie de carta. para um Romeu!


A minha vida dava um filme indiano, daqueles em que…

…a D. Judite me segura na mucosa [don't ask!],

…alguém diz: «eu não tenho razão, mas fiquei ofendida»,

…outros menosprezam os «gatos pingados» que depois até fazem «like»,

…o esticador de raízes não consegue cumprir com a sua missão,

…se tem que tocar à campainha para comprar o bilhete para o Avante,

…a «cerveIja» acompanha a «entermeada»,

…a eXpontaneidade tem que ser combinada previamente,

…as pessoas passam de preFeridas a preTeridas [note-se, é só uma consoante que muda!],

…onde alguém gosta de tirar nabos da púcara [hey, get a life],

…os cromos são tantos que a caderneta fica cheia num ápice.



E a minha vida é isto.
E neste filme ainda há gente a dançar, mesmo no meio do drama da couve (galega)!

exacto. comigo as coisas não podem ser simples.

vi uns sapatinhos de verniz fantásticos numa loja. olhei e disse: «é isto mesmo que eu quero. se houver no meu número, compro. caso contrário, nem vou procurar outros.»
entrei. pedi o 39 (yeah, big foot). era o par que estava na montra. a senhora entregou-me o sapato esquerdo.
sim, tenho karma com levar-o-último-par-da-loja. e era mesmo.
«posso experimentar o pé direito?» o pé direito (salvo seja) também estava na montra.
calcei e disse: «lamento, estes sapatos não são iguais. as tonalidades são diferentes»
«não pode ser. venha ver aqui à luz» e eu vi à luz. e a diferença confirmou-se. a empregada passou um pano «ah pode ser pó» não era pó. era um facto: os sapatos eram diferentes. ponto final.
a senhora predispôs-se de imediato a tentar encontrar outro par numa loja do grupo. óptimo.
telefonou, confirmou e disse-me: «peço só que deixe um sinal de 10 eur. assim que chegar, ligo-lhe.»
concordei. a senhora preencheu um documento que comprovava a minha «reserva», com a indicação de que poderia devolver: ou seja, se o par tivesse algum problema ou não me agradasse, os 10 eur seriam restituídos.
passados dois dias recebo a sms a dizer que o artigo tinha chegado. e lá fui eu à loja, buscar os meus sapatos mais desejados!
entrei, a senhora reconheceu-me de imediato. fui buscar os ditos à caixa. ohhh e como eles brilhavam!
experimentei, eram iguais (se bem que um era o esquerdo, o outro o direito). perfeitos. paguei e perguntei: «não levo factura?»
«não precisa. estou sem sistema. se houver alguma coisa os talões do MB servem!»
ok. e saí da loja a saltitar! ahhhh os meus sapatinhos!
entrei no carro e abro a caixa, para os olhar outra vez e... «oh não. têm um defeito»
o pé direito tinha um buraquinho pequenito. fechei a caixa. e o carro. e voltei à loja.
«afinal não fiquei muito satisfeita. o artigo tem defeito.»
«tem defeito?»
e a empregada lá mirou, e encontrou o mesmo buraquinho perfeito e irritante.
e eu perguntei: «pode devolver-me o dinheiro? eu não quero esse artigo assim.»
«ah vou ter que ligar para a minha chefe» e ligou. falou, falou, falou. e eu à espera, com dois talões de MB, que até tinham denominações de empresa diferentes.
«a minha chefe disse-me para tentar susbtituir por outro par igual»
«ok, e arranja-me? é que eu quero pretos, iguais e sem defeito»
novamente, telefonemas. havia um par. «sim, pode mandar vir»
«a senhora deixa aqui o artigo e eu faço um papel a responsabilizar-me em como deixa cá o artigo pago...»
ok. e a factura? «ah estou sem sistema»
«pois, mas eu não vou sair daqui, sem artigo, sem factura e só com dois talões do MB.»
a empregada, após hesitações, começa a passar-me uma factura manual (sim, dá trabalho, mas existe essa alternativa) e o valor que indica é o valor do artigo menos os 10 eur do sinal.
«olhe, desculpe. mas essa factura está mal. porque eu paguei XX eur e aí só está YY.»
«sim, mas os 10 eur já entraram na minha caixa há dois dias e eu tenho que fazer assim para não ter diferença»
«então e como é que eu comprovo que paguei XX? com um talão de MB e uma factura? como é que eu justifico esta despesa de 10 eur? não dá para entregar ao contabilista para despesas, pois não?»
seguiu-se mais um telefonema para a chefe.
nessa altura sugeri logo que me devolvesse o dinheiro, porque já estava cansada daquela situação.
mas compreendo, enquanto a loja oferecer alternativas para a substituição do artigo, não posso exigir o dinheiro de volta. compreendo.

a empregada é que não compreendia várias coisas, nomeadamente:
1) que nem todos os pares de sapatos são iguais;
2) que um talão de MB não serve de factura;
3) que «deixo» é diferente de «deixou».




em breve, fotografia de ladyBug com o seu sapatito de verniz. ou então não!

porque é que eu ando com a Pais e Filhos e O mundo da fotografia digital na «poncheta»?


Porque numa temos um grande destaque ao trabalho de profissionais como a Celeste Machado na área da Filosofia para Crianças.
Porque na outra revista temos o destaque para o trabalho fotográfico do João Paca.

Ambos colaboram comigo em projectos tão diferentes como

E é com muito orgulho que os encontramos por «aí».

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D