Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

pause, but don't stop (ii)

tumblr_pq1za6C5Zv1qhzqx6o1_500.jpg

- eu sei que a chuva faz falta. que os dias de chuva são belos. sei isso tudo. e também sei que os dias de sol me animam e dão energia, sobretudo na hora de almoço, num dia em que o desafio é dar 7 horas de formação, numa sala onde há muitos comandos e onde também o sol entra pela janela. 

 

tumblr_pq3tu1HDf71qhzqx6o1_500.jpg

 

- a filosofia para crianças e jovens é um privilégio. sim, também se traduz numa carga de trabalhos: na preparação, na procura de desafios cativantes para a criançada. repito: é um privilégio. 

 

D4SJ1f3W0AEf4wZ.jpg

 

- ir ver um espectáculo e encontrar alguém que me conhece do twitter. visitar um centro de formação pela primeira vez e ser cumprimentada como se conhecessem há anos (afinal, é do instagram). ter uma equipa maravilha a tratar do meu site. 

 

- e a tese. a tese. 

 

pause, but don't stop (i)

tumblr_pof1diXNzU1qhzqx6o1_500.jpg

- abril prometeu águas mil e trouxe frio com ele. por aqui, continua a haver sinais de constipação e uma vontade enorme de beber chá quente - quando deveria estar a sonhar com gelatinas. já diz o povo: o tempo está todo trocado.

 

- dois dias intensos de formação a partilhar o que de melhor se pode fazer nas redes sociais, a nível pessoal e profissional. o mais gratificante? as 'ssoas que se conhecem e que partilham comigo que é notória a paixão que dedico aos projectos onde me envolvo. maningue nice! 

 

- no twitter, a comunidade #twitterchatpt continua a mexer e a crescer. mais do que os números  de alcance e de impressões, importa anotar que a qualidade da conversa é de nível "sim, senhor". resultado da edição #10? consta que houve blogs a renascer das cinzas. 

 

- terminou a aventura #cicloFPC, um ciclo que não é um ciclo, da responsabilidade da fundação portuguesa das comunicações. houve conversas muito interessantes, em torno da humanidade e da tecnologia. a plateia foi constituída por jovens estudantes e isso para mim foi o ponto mais positivo de tudo (além de ter ficado muito contente com o convite para moderar as conversas).

 

- não me falem da tese, ok?

 

(estou a tentar criar uma espécie de rubrica aqui no blog, em forma de diário e de partilha curta. não sei se vou conseguir levar isto a bom porto, mas vou tentar.)

 

 

viver todos os dias cansa

março, querido março, que dias tão intensos, estes. nem sei por onde começar.

 

 

sim, houve muita filosofia: no jardim de infância, com jovens e também com os mais crescidos. o trabalho com as crianças continua a ser desafiante e provocador de novas abordagens, em termos de metodologia de trabalho.

 

os Cafés Filosóficos em Setúbal estão a respirar bem e juntam-se a nós pessoas com vontade de praticar o "parar para pensar".

 

a #filadafrente chegou a trending topic, no twitter, levando com ele o evento #digitalkspt. o projecto #twitterchatpt continua de vento em popa, com um calendário bem catita nos próximos meses. e com uma equipa 5 estrelas, diga-se de passagem. 

 

marquei presença no #pixelscamp, a convite do Luís e do Amaral - e que dia tão bem passado, quem diria? 

 

a franja voltou a ser roxa, depois daquele desmaio básico para o azul e o verde. 

 

dei formação, esqueci-me da pen no computador da sala de formação e alguém levou a dita cuja. ninguém sabe dela, foi um ar que se lhe deu. dá-se recompensa a quem a devolver. 

 

passou um ano sobre o início da aventura #joanamenoscinco e os resultados continuam a ser positivos. vale a pena deixar o carro longe do metro e fazer 3, 4, 5 ou até 10 km por dia, só a caminhar. a massa muscular surge e a massa gorda diminui. Ta-DA! 

 

entretanto dei início a um projecto que é a minha cara e que se chama as 'ssoas da casa. 

 

e venha abril, com águas mil, pois é março e quando consulto os fogos.pt acho que estamos em pleno verão. 

 

 

 

 

 

 

Pedro

perguntam-me, várias vezes, pelo motivo para passar tanto tempo no twitter. há vários motivos e aquele que tem mais peso é este: 'SSOAS.

 

através do twitter conheci 'ssoas que "sim, senhor". o apoio que tenho tido nos vários momentos da minha vida pessoal e profissional vem daquela rede, ou melhor, das 'ssoas que marcam presença naquela rede. uma dessas pessoas é o Pedro. não sei dizer exactamente em que momento conheci o Pedro, mas foi das primeiras 'ssoas com quem fui criando ligação, no twitter. 

 

o Pedro abriu-me as portas da sua casa quando precisei de alojamento durante um congresso de filosofia. nem hesitou. foi buscar-me à estação e foi um verdadeiro guia na cidade. deu-me a chave da sua casa, confiou em mim como se nos conhecessemos desde a infância. só falhou no dia da despedida: o Pedro adormeceu e não se levantou na hora de me ir levar à estação. e eu, que não sou de cerimónias, saí silenciosamente de casa e deixei um bilhete a agradecer a hospitalidade. no café, apanhei um táxi e fui até à estação. o Pedro ficou aborrecido comigo porque eu não fui bater à porta do quarto para o acordar. 

 

o Pedro é uma das razões para eu dizer que o twitter é aquela rede onde não encontramos os nossos amigos de infância ou da secundária, mas onde é possível fazer amigos. amigos que nos acolhem em casa, como se fossemos da casa. 

 

partilhei com o Pedro a redacção virtual do musicfest.pt e fica na memória uma francesinha (ou melhor, três) que devorámos ao almoço: eu, o Pedro e o Marco, a caminho do festival de Paredes de Coura, um festival onde o Pedro gostava muito de ir, para escrever ou para fotografar. 

 

o Pedro deixou-nos hoje, à conta de uma malvada doença que se chama cancro. 

temos sempre esperança que os tratamentos resultem, que se descubra algo a tempo. temos sempre esperança sobretudo quando há tanto por viver. temos sempre esperança que os pais não vejam o seu filho partir,  tão cedo. com tanto para viver. 

 

há uns anos, eu e o Marco Almeida tivemos uma ideia, a de criar um Festival do Além.

o motivo? o falecimento de artistas que tanto admirávamos. foi uma forma de prestar homenagem, com humor e com amor.

hoje o (Festival do) Além ganhou um repórter. 
Pedro, curte aí a música das esferas celestes e guarda-nos lugar na sala da press.

 

é assim que te recordamos: 

21150433_10209464490081569_363287847742662555_n.jp

(a foto é do Miguel Pereira e foi tirada no Vilar de Mouros)

 

 

o todo é maior do que a soma das partes

53543307_10216830947538300_3019331081028501504_n.j

 

um mundo com mundos lá dentro

 

aristóteles disse-o algures na Metafísica (livro IX, se não estou em erro) e eu repito-o incessantemente: "o todo é maior do que a soma das partes". 

o meu mundo é feito de pequenos mundos: há a família, os amigos, o trabalho, o twitter, o voluntariado, a filosofia, a filosofia para crianças, o méniere, os beatles, a kizomba, a formação, a criatividade - e nestes mundos pequenos há pessoas que se cruzam, coisas que acontecem.

e há também os mundos que se abandonam e os que deixamos de visitar com regularidade. tenho pensado sobre as pessoas que deixei de ver com frequência, que deixaram de fazer parte do grupo de amigos, de convívio. pensando em meia dúzia de situações, encontro algumas razões para isso: deixámos de frequentar os mesmos sítios, adoptámos rotinas diferentes e por isso há mais desencontros. outra razão: identificámos interesses diferentes e que não se compatibilizam. um exemplo: ter mudado de vida alterou em muito as minhas rotinas e o meu círculo de convívio.

dei por mim a fazer um exercício de reflexão sobre isto, procurando o critério para estar ou não estar por perto desta e daquela pessoa. pensando um pouco mais profundamente, noto que há outra razão para que algumas pessoas tenham deixado de marcar presença na minha vida: a minha necessidade de simplificar. 

assim como fiz um percurso na escrita e no discurso no sentido de me tornar menos palavrosa, do mesmo modo procuro rodear-me de quem é mais directo, mais assertivo, mais sem merdas. a empatia da verdade é algo que tem sentido para mim, cada vez mais.

é um critério como tantos outros, para estar ou não estar com X ou Y. agora que o identifiquei vou estar mais atenta, para me manter nessa linha. sim, descobri que ainda tenho a tentação de me rodear de gente complicada e mimimi, com tendência para a vitimização. e, francamente, à beira dos 40 anos, já não vai dar. 

 

um pequeno apontamento sobre o valor das coisas

 

o casaco da fotografia foi uma compra de impulso: já tinha pensado em comprar um blusão de ganga, pois ozanos que não tenho um. entrei numa loja para ver de algumas camisolas pretas e encontrei este blusão na secção de homem. vesti, estava OK. vinte euros? siga. não encontro mais barato, certamente. há dias a minha amiga Zélia Évora transformou este casaco numa peça única, sem igual, ao aplicar uma das suas Fridas. e de repente, este casaco de 20 euros transformou-se numa peça de valor incalculável. é irrepetível, até na forma como ele aconteceu: a Zélia fez o trabalho enquanto conversava comigo, sobre as coisas boas e as menos boas das nossas vidas. e esse momento não vai repetir-se nunca. 

este casaco é maior do que a soma das partes: o preço de custo e o valor do trabalho da Zélia. é o símbolo de um momento, de um encontro, alinhavado com desabafos e partilhas, entre amigas.

 

olá, sábado!

D0own9gXgAAa_z6.jpg

 

depois de um mês inteiro a trabalhar aos sábados voltei à rotina do voluntariado. não foi fácil acordar cedo ao sábado, pois a semana anterior foi muito intensa exigente: muitas horas de formação, assuntos pendentes para resolver (e uma TPM desgraçada).

 

já tinha saudades do albergue: da Mel e dos outros amigos. no tempo em que estive fora aconteceram adopções e também houve lugar à perda de alguns amigos, já séniores, por motivos de saúde. é difícil regressar ao albergue e não ver por lá o Benjamim, a Nina, o Toy pois o motivo não foi a adopção. a solução é arregaçar as mangas e continuar a apanhar o cocó, a limpar, a lavar, a brincar e a namorar com o Fuga que é só o cão mais doce da vida:

 

 

o Fuga é um cavalheiro e dá-se muito bem com pessoas. é impecável nos passeios (confesso que tenho saudades de o passear) e partilha a sua box com duas amigas que ainda são um pouco medrosas. 

 

já vos falei do Fuga na #terceiraoportunidade e hei-de continuar a falar. este miúdo giro merece mesmo uma família que o possa adoptar e permitir-lhe uma vida confortável, longe do stress que é um albergue ou um canil - espaços que deveriam ser sempre de transição. 

 

D0pVxCzXgAAwktO.jpg

ah. e ontem encontrei o verdadeiro poop emoji. lindo, não é? 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D