Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

sobre a indignação para com a recente demolição das obras de Vhils

"Isto é um muro. Obrigar a olhar para o muro é importante. O muro divide-nos ou junta-nos. Partir um muro é um acto simbólico. Destruir é inerente à criação. Qualquer criação implica destruição. Transforma, mas destrói sempre."

 

- estas palavras são do Alexandre Farto, conhecido por todos como Vhils, no #cafecentral  da revista Gerador #3 (jan.2015), partilhado com a querida Luísa Cortesão 

 

fui recuperá-las após a onda de indignação perante esta notícia

 

diz que a obra efémera não dura para sempre. e se há coisa efémera, nesta vida e além da própria vida, é a arte urbana 

 

11139406_889947551061650_7544660685383597716_n.jpg

© Rafael Espíndola, para a revista Gerador  

 

foi bonita, a festa!

11755864_508338875996917_8482955093254532542_n.jpg

com nervos à mistura, muitos convidados em palco para gerir e uma moderação para partilhar com o Miguel Ponte em forma de Amilcar Adeusinho, o crítico contratado da revista Gerador: assim foi a apresentação da quinta revista mai'linda de todo o sempre! 

 

a fotografia é do Herberto Smith e apesar do meu dedo indicador em riste acreditem que estava a dizer coisas muito fofinhas ao Miguel Ponte.

conheci-o numa acção de divulgação do VIH/SIDA, num longíquo 1º de Dezembro, ia eu a caminho das estreias do Teatro Rápido, no Chiado.

conversámos um bocadinho até que lhe disse: vou ao TR, aparece lá. poder ver uma peça em 15 minutos. e ele falou-me que estava num grupo de teatro amador, que estudava farmácia.

uns meses depois o Miguel estava a defender uma peça no TR. uns anos depois tornámo-nos cúmplices desta aventura chamada Revista Gerador. 

 

foi bom estar contigo no palco do MusicBox Lisboa, Miguel. 

acho que foi mesmo a parte melhor da noite, para mim.

beijinho! 

 

(o laço é handmade by Zélia Évora. e as unhas foram handmaded pela Guida, na Nails & Depil System) 

 

"foi a melhor coisa da manhã, ok?"

tumblr_nrjk69Wsnw1qhzqx6o1_500.jpg

e lá fui eu, para mais uma experiência-piloto com a malta do Gerador. cedo, manhã cedo, sem tomar café. entro na sala e dizem-me "não sei se conheces, mas é o João".

as saudades que eu tinha deste pukanino fizeram com que o amarfanhasse muito. o Pedro soltou um desabafo "bolas, que tu conheces mesmo toda a gente!"

errado: toda a gente me conhece, é o que é. joana dos plásticos, como diz o Carlos.

 

para contextualizar: conheci o João aka Calvi Boy na altura em que ele era estava no Dubai, a trabalhar. foi o twitter que nos aproximou (twitter is the new nokia - connecting people) e desde então partilhámos cafés, almoços, jantares e bons momentos. 

somos amigos, não daqueles que se falam todos os dias, mas usamos as redes sociais para irmos acompanhando a vida um do outro e, de vez em quando, há uma conjugação cósmica que nos aproxima. e isso é muito fixe.

e depois de toda uma manhã de trabalho, de experiências, e blá blá blá afirmo, com toda a certeza, que a melhor coisa da manhã foi mesmo ter (re)encontrado o Calvi.