Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

país em chamas

acho que há gente c demasiado tempo livre quando se discute o nível de espontaneidade dos abraços do PR e do PM. ora bem, ide limpar matas, sim?

 

por falar nisso, corre uma petição para que sejam os reclusos a limpar matas.

 

e por falar em matas, li algures que o estado possui apenas 2% do território de florestas e afins (não fixei  a fonte, so sorry). 

 

há por aí muito particular irresponsável e terreno abandonado, não?

 

é tudo o que tenho a dizer sobre os incêndios. ah. e que os bombeiros são uns heróis - todo o ano, para que conste. 

 

 

desta vez, aconteceu-me a mim

a chegar num cruzamento, carro da frente pára. eu assim fiz. carro começa a andar e eu assim fiz. mas o carro parou - e eu também, mas um pouco em cima dele, vá.

saí do carro a pedir imensas desculpas: já me bateram duas vezes por trás e o susto é gigante, pelo estrondo e pela sensação de não saber o que está a acontecer.

o carro do condutor ficou com um vinco de 4 cm, saltou um bocadinho de tinta e a tampa da luz de matrícula partiu. de resto tudo ok. foi mesmo só um encosto (se a zona não fosse a descer, creio que nem lhe teria tocado). 

bom, toca a preencher a declaração amigável. os seguros existem para estas ocasiões e há que assumir a responsabilidade do que aconteceu, sem grandes dramatismos da minha parte.

 

e claro que ninguém me olhou de soslaio pelo "à vontade com que preenchi a declaração amigável" ou "a carta de condução ainda é cor de rosa" ou "tantas tatuagens e toda vestido de preto". 

 

eu sei que é aborrecido: os senhores vão ter que agendar peritagem e deixar o carro para arranjar. já me aconteceu o mesmo e lamentei-me, na altura. mas a definição de acidente passa por isso mesmo: é algo que não se espera, que não se planeia, que acontece. é lidar.

 

e pedir desculpas pelo sucedido, mesmo que do outro lado se oiça um "mas as desculpas não se pedem, evitam-se" - sim, o senhor reagiu mesmo assim. eu continuei de sorriso nos lábios a preencher a declaração e a pensar que a vida tem destas coisas e que quando há cocó, é apanhar e pronto. 

 

16938828_10211093575947596_152404989404613651_n.jp

 

 

 

a conversar é que a gente se entende

ontem tropecei num artigo do Luís Bettencourt Moniz, para o jornal de negócios, que me chamou a atenção. o motivo? digital, relações humanas e por aí fora. 

tendo em conta que é um tema sobre o qual troco ideias com o Pedro Rebelo, fiz-lhe um tag no facebook, para que o lesse. aliás, partilhei o artigo na minha página, destaquei uma frase e fiz o tag ao Pedro. porquê? para aumentar o engajamento na página, pois claro! podia ter enviado através de mensagem privada, mas não era propriamente um conteúdo... como dizer, privado. por isso, esta troca de mensagem que  significa "hey, Pedro, olha aqui este artigo que julgo ser do teu interesse, aconteceu numa rede social, de forma pública, utilizando para o efeito o meu computador, a minha ferramenta de trabalho actual. 

 

[estou a ser muito descritiva, muito eça de queirós?]

 

o Pedro enviou-me uma mensagem, privada sim, a perguntar como queria ser linkada - qual dos blogs deveria utilizar. ora, como sabem, este é o meu blog onde cabe tudo, o outro está mais focado na filosofia para crianças e o meu twitter é o meu cartão de cidadão. "usa o twitter"

 

hoje recebi na minha caixa do correio o aviso de que havia novo artigo para ler, no blog do Pedro. e eu lá fui, entre a torrada e o sumo da compal que tomei ao pequeno almoço. ainda não tinha chegado ao escritório (que acontece na minha sala) e já estava no meu ipad a ler o texto, na cozinha.

 

tanto o artigo do Luís, como o do Pedro, merecem uma leitura atenta. 

 

diz o Luís:

"Hoje fala-se na emergência do H2H ("human to human") como única relação possível. Há uma máxima nas vendas que diz que são as pessoas que vendem a pessoas. O diferenciador de valor residirá naqueles que souberem cultivar as relações humanas e perceber o ponto de vista da pessoa face ao nosso negócio."

 

diz o Pedro:

"O consumidor é, como refere Luís Bettencourt Moniz, complexo. O ser Humano é complexo. Tão complexo que, numa critica declarada às novas formas de abordagem comercial, que assumidamente passam o factor humano para segundo plano, deixando a cargo das máquinas o “trabalho” de nos conhecer e convencer, o autor escreve sobre “a emergência do H2H (“human to human”)” olvidando a tão humana expressão “cara a cara” ou simplesmente “frente a frente”. E foi aqui que ele me perdeu."

 

digo eu: 

a expressão H2H é, para mim, fundamental. pois é disso que apontam os Kotler desta vida e afins, no que ao marketing diz respeito. a questão é que este H2H não pode, nos dias que correm, não integrar o digital. e é neste ponto que não concordo com o Luís, quando diz "Hoje, o marketing caminha para ser antropocêntrico ao invés de “digitalcêntrico”. Amanhã ao invés de escrever o “post” vão visitar um cliente, só para ouvi-lo." caminhamos para o antropocentrismo, sim, mas um antropocentrismo que vai na linha do que defende o manifesto ONLIFE, que é referido por Jose Barrientos Rastrojo

"Antes había una clara diferencia entre mundo online y offline porque para entrar en internet había que estar en casa y entrar en el ordenador. Hoy todos llevamos un móvil. El profesor Luciano Floridi, que ahora está en la Universidad de Oxford, ha creado el concepto de Onlife, al entender que ya no hay diferencia entre online y offline."

não são só os centennials que já não sabem viver sem o digital: somos todos nós. cada um de nós. não são só os centennials que não sabem desligar: somos todos nós. 

e esse nós inclui os milennials e a minha mãe, com mais de 60 anos, que, sem nunca ter trabalhado num computador, fez um mealheiro para comprar um tablet e perceber o que se passa para lá do écran. 

e todos nós somos consumidores e compramos coisas. também vendemos coisas, claro. todos os dias vendo os meus serviços através de uma montra que habita no digital: as minhas redes sociais. e se imagino a minha vida sem o digital? não. além do meu trabalho exigir esta presença digital

 

o conceito de humano necessita ser repensado e não podemos isolar o digital e ousar pensar que uma venda irá correr bem sem qualquer vestígio do digital envolvido nela. visitar os clientes é importante, o comercial que anda a fazer kms de carro, a visitar pessoas, saberá dizer muitas coisas sobre os clientes. mas esses clientes têm, na sua grande maioria, uma pegada digital, trocam e-mails, whatsapp, whatever - e isso, simplesmente, faz parte. não pode ser ignorado. 

o conceito de humano necessita ser repensado: também por isto.  e por isto

experiências como esta, que Rui Pêgo reporta, são interessantes e mostram-nos um mundo que parece muito longíquo: o mundo em que íamos ao e-mail, de vez em quando, acedendo somente através de computador, e no qual nem todos tinham internet. e, sim, faz-nos pensar nas relações humanas - o grande tópico deste artigo que agora vos escrevo. 

 

18199218_663368787188278_6648598451307455053_n.jpg

imagem retirada da página de facebook é social media, mas 

 

 

“Asking if the internet is good or bad is like asking if talking good or bad: how can we think it's a valid question to begin with?” #IAMW17

 

e quem pergunta pela internet, pergunta pelo digital: não é bom, nem é mau. é aquilo que é. aquilo que fizermos dele.

 

18119175_10211612907130551_2011752397643180083_n.j

 

termino com um apontamento que encontrei no meu caderno de filosofia do conhecimento:

 

18198702_10211655391512634_2762503529857161099_n.j

 

 

 

 

 

 

 

 

 

13 reasons why

li todo um alarido, no twitter, à volta da série 13 reasons why. espreitei a conta da série e gostei da comunicação. fui ao tumblr e TAU, também gostei.

netflix, 30 dias gratuitos?

vamos!

dois episódios e: uau, que cena gira. a gaja - uma adolescente -  mata-se e "ressuscita" através de cassetes. giro, o conceito.

ao quarto episódio penso "se a miúda não se tivesse suicidado juro que eu ia lá e fazia isso por ela"

não há paciência. MESMO. 

sim, acontecem montes de coisas feias e horríveis quando se é adolescente: desde as hormonas à crise de não sabermos se somos crianças ou crescidos. é uma fase em que se faz muita merda, sim. penso que a série peca por dar ênfase ao lado negativo. e por isso é tão aborrecida. 

o grande problema da série é passar a ideia de que o ser humano é naturalmente bom e que a sociedade o corrompe. sobretudo no que diz respeito à personagem em torno da qual gira a história: a hannah. era uma querida e pronto, todos lhe fizeram mal e ela matou-se. e as razões de cada um deles para agir desta ou de determinada forma, hum? talvez encontrássemos outras 13 reasons why, para cada personagem. 

se os adolescentes devem ver? não há imperativo categórico que obrigue a isso, IMHO. não lhes faz mal, certamente. compensem com gomas e coca cola, pode ser? 

vale pela banda sonora. e pela forma como se explica o conceito ONLIFE, inerente  à geração Z (ok, e para nós millennials, também). 

 

2017-3-29-5c6fd800-2a91-474e-848f-14aca8af35d5.jpg

 

o que me vale é que hoje há mais um episódio de prison break 

 

 

uma mão cheia de coisas altamente sobrevalorizadas

- o "para sempre"

- o "amanhã"

- fazer a coisa certa

- a série 13 reasons why

- comprar casa

- casar - fazer listas

- ter um emprego

- férias em agosto

- a felicidade

- os carros pretos e/ou cinzentos

- ter o último modelo de...

- fotografias de sushi no instagram

- os livros do Chagas Freitas

- a empatia

- os graus académicos

- a pergunta: "o que fazes?" 

- as idas à praia, durante o verão

 

 

 

 

coisas que fevereiro me ensinou

Screenshot 2017-02-16 12.12.30.png

 

- descobri que há diferentes formas, diferentes mapas, para ver o mundo. é tudo uma questão de perpectiva;

- a tese, senhores, a tese. há que encontrar vontade para escrever na linha mais recôndita da crítica da razão pura;

- há uma coisa chamada 3d secure. já activei, pronto! escusam de ralhar comigo;

- pode acontecer o seguinte: os projectos nos quais acreditamos são aqueles que nos desiludem. e temos que os abandonar;

- a vida reserva-nos surpresas boas. e isto não é uma gustavice santos. é isto mesmo. surpresas boas;

- às vezes ficamos fechados num sítio porque alguém fecha o portão quando sai (go figure!);

- começar é fixe. recomeçar, também;

- a minha vizinha tem um sentido de humor, como dizer, TOP: tem o marido preso e mascarou o filho de polícia;

- errar é humano: acontece na nossa vida e nas cerimónias dos óscares. banho de humanidade, hein?

 

goslingoscarsreact2702a.jpg

 

"top"

a língua é uma espécie de organismo vivo: alimenta-se do que há, do que é dito, faz a digestão disso tudo e depois já sabem como é: umas vezes vomitamos, outras, concluímos o processo com o final que todos conhecemos - pelo meio armazenamos coisas, tipo gorduras massa muscular.

 

a linguagem que se usa no dia-a-dia é influenciada por tantas e muitas coisas: pelo nosso trabalho, pelas leituras que fazemos, pelo grupo de amigos. 

 

estive hoje em conversa com uma 'ssoa, 1h e picos. um projecto à volta do design thinking. do pensamento desenhado? do design para o pensamento? pois, eu compreendo, não é fácil de traduzir (traduzir é quase sempre uma traição).

 

pelo meio, coisas como:

"isso é na fase da research... ah tens que pensar nas discoveries que eles podem fazer... acho que vai ser uma coisa mesmo top... precisamos de tools para facilitar o brainstorming..."

 

eh pah.

EH PAH.

 

dei por mim a pensar na quantidade de termos em inglês - e para os quais há palavras boas, mas boas, em português - que por ali apareciam. e na forma como isso molda o nosso pensar e a nossa visão sobre as coisas. 

 

sim, dou por mim a dar formação e a dizer "analytics" ou "insights" ou coisas do género. é verdade, não sou imune a estas coisas e a este novo linguajar. 

 

acho que aquilo que mais me agasta é reduzir tudo a TOP. isto é top, aquilo é top, eu sou top, tu és top, ele é top.

somos todos top.

somos todos coisas de algodão ou de licra que servem de suporte às mamas aos seios. 

e eu recuso-me a alinhar nesta redução ontológica. pronto!

 

Unknown.jpeg

 

 

 

a polémica markl versus pitbull

10269614_10207533697272854_8937127419603323499_n-1

 

ontem à noite falava com dois amigos via facebook sobre um pitbull que ambos (os três) conhecemos e por quem temos muita estima. um deles pergunta-me se eu tinha ouvido o markl, no programa da manhã da comercial. não, respondi. como agora a rádio acontece em directo nas redes e é gravada para o youtube, foi fácil ver o vídeo d'o homem que mordeu o cão. 

bom, a história que markl descreve é efectivamente para a rubrica "o cão que mordeu o homem" - pois é isso que acaba por acontecer à pessoa que tentou vestir a camisola tricotada com amor e carinho a um cão, que por acaso é um pitbull. portanto, começa logo mal, a inclusão desta história numa rubrica que se chama o homem que mordeu o cão. esta rubrica serve para contar histórias mais ou menos inusitadas, que por isso mesmo deveriam ser notícia. cães que mordem pessoas - hey, acontece todos os dias. agora homens que mordem cães - isso é que já é mais para o inédito. 

ora, o pitbull é um cão que pertence a uma raça considerara PP (potencialmente perigosa). uma pesquisa no google levou-me AQUI onde se diz:

"Cão potencialmente perigoso é todo aquele que devido às características da raça, ao comportamento agressivo, ao tamanho ou potência da sua mandíbula, possa causar lesão ou morte de pessoas ou outros animais. 

A Portª nº 422/2004 determina quais as raças de cães que se considera serem potencialmente perigosas. São perigosas potencialmente, isto é, podem vir a ser perigosas, causadoras de danos importantes, mas, na prática, pode até vir a verificar-se que alguns animais dessas raças se revelem extremamente dóceis. Isso não impede, no entanto, de serem considerados potencialmente perigosos, pois a lei assim os considera. Tal como uma bolota não é um carvalho, mas é um carvalho potencialmente, assim também, os cães das seguintes raças podem não vir a ser perigosos, mas são potencialmente perigosos: 

Cão de Fila Brasileiro 

Dogue Argentino 

Pit Bull Terrier 

Rottweiller

Staffordshire Terrier Americano 

Staffordshire Bull Terrier 

Tosa Inu 

São considerados potencialmente perigosos, não só os cães destas raças, mas também os seus cruzamentos, quer sejam destas raças entre si ou com outras raças." 

 

a metáfora da bolota e do carvalho é especialmente bonita. e traduz muito daquilo que acontece: se não educarmos os nossos cães, sejam eles de que "marca" forem, podem ser perigosos ou amorosos. o humano condiciona e muito o comportamento do animal que tem à sua guarda. depois, há também questões físicas às quais temos que estar atentos. um dos animais mais "perigosos" com os quais fui confrontada era um cão labrador. um histórico de agressividade e de mordidas. descobriu-se que o problema eram otites, graves e assintomáticas que causavam dores ao animal. por isso, a ideia de ter alguém a mexer-lhe na zona da cabeça era o sinal que o cão precisava para mostrar os dentes. e morder, pois.

também conheci um cão de porte mini/médio, com uma franja toda gira. não era bem um caniche, mas tinha ares disso. tem um ar super fofo - mas quando está "no ponto" agressivo e este é despoletado, parece a miúda do exorcista: só lhe falta rodar a cabeça e vomitar coisas verdes. parece que também poderá ser uma questão física a despoletar esta agressividade. 

ontem vi o programa do Cesar Millan e havia um cão estilo chiuaua que tinha um comportamento muito agressivo, sobretudo para com um dos membros da família. depois de lhe terem sido retirados 22 dentes podres, o cão mudou o seu comportamento - deixou de ter dores - e com algumas correcções de postura por parte da pessoa, conseguiu devolver-se harmonia àquela família para quem o cão era importante. 

 

o que me preocupa nestas conversas que se tem à volta dos pitbull e dos cães classificados como PP's é que o preconceito de que "aqueles são maus" permanece. e depois temos canis e albergues cheios de cães destas "marcas" que tiveram um destino menos simpático e não são adoptados porque as pessoas os rejeitam. são maus, é melhor ver outro. 

o mesmo acontece com os cães pretos. há muito preconceito, mas súbtil, não vem na lei, perante os cães pretos. são os mais dificeis de adoptar. nos EUA até há um National Black Dog Day. pode ler-se AQUI:

 

"Black animals altogether, are the least adoptable pets in shelters because of their color. All too often, black dogs are overlooked because of many stigmas such as; the color black is evil (the same stigma that cats have), black dogs do not show up as well in photographs as muti-colored or light colored dogs and black dogs look scary and intimidating because you cannot see their facial expressions as easily, etc. They are easily overlooked when people are searching for a new dog and the first to be euthanized in overcrowded conditions.
This special day was founded by Celebrity Pet & Family Lifestyle Expert, Author and Designer, Colleen Paige, who is also the founder of National Dog Day, National Cat Day, National Puppy Day and many more philanthropic holidays to increase the greater good. National Black Dog Day is devoted to creating public awareness about these beautiful, shiny fur babies that offer just as much unconditional love as any other dog and deserve just as much love back. Black dogs also show off colorful accessories much better than any lightly colored dog! Try buying your black dog a neon green or hot pink collar!

Please adopt a black dog and show the world how much light they have inside and out!" 

 

os preconceitos, as ideias pré-cozinhadas, os rótulos, no fundo as palavras são coisas das quais precisamos no nosso dia-a-dia. precisamos de dar um nome às coisas, para nos sentirmos seguros. com isto tudo esquecemos que as generalizações são, também elas, potencialmente perigosas.

precisamos de contextualizar mais as coisas e sobretudo de dar uma oportunidade a cada cão que está num abrigo ou num canil, independentemente da raça. e de não tremer quando vemos um pitbull na rua. vamos fazer-lhe uma festa, assim do nada? não. mas não devemos fazer com outro cão qualquer: o cão não nos conhece e pode não reagir bem. e depois tem boca e dentes lá dentro. seja um PP ou não.

 

um dono de um pitbull tem que ser responsável e cumprir com as coisas todas que estão na lei. e tem que ser, sobretudo, responsável pela desmistificação do preconceito perante a raça. para isso, tem que o educar de forma correcta, de forma a que a agressividade da qual é acusado não se manifeste. mas isto, senhoras e senhores, vale para qualquer cão, seja qual for a raça, o tipo de mandíbula e o fanranfanfan afins. 

 

hoje o nuno markl voltou a explicar-se sobre a peça de ontem. aqui fica o texto que deixou na sua página de facebook. é bom ter em conta todos os lados da história. só assim compreendemos as estatísticas de ataques de cães: convinha averiguar que tipo de donos têm esses cães que foram responsabilizados por mortes, acabando no abate. e sobretudo evitar que essas pessoas possam ter outro animal, sem o saber educar. e termino com as palavras de markl, na caixa de comentários: 

 

"Foi possivelmente uma escolha radical de palavras, mas foi dirigida à irresponsabilidade de quem tem cães só porque sim, e com os quais não sabe lidar, não teve o intuito de ser depreciativo com os animais. Eu não tenho dúvidas que os incidentes que ocorrem envolvendo pitbulls são culpa dos humanos que os têm, não dos cães."

 

* já agora, uma questão: agora que os animais são classificados como seres sensíveis, não tem muito sentido falar do dono do cão, pois não? tipo uma cena de propriedade. enfim, fica aqui este pensamento avulso.  ah. e uma fotografia minha com a Riva, uma PA. sim, isso mesmo. potencialmente amorosa. 

 

13412901_10208764294277010_3647308556110728334_n.j