Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

caros senhores da planta portugal:

DG8J0kMW0AEZGHX.jpg

 

DG8KBsbW0AAc0Y3.jpg

 

DG8KKC0XoAIvHIf.jpg

 

DG8KYZcXkAAbkQD.jpg

 

chega de troncos nus. de sorrisos bonitos. de corpos sem gordura. de olhares profundos. de toalhas de piquenique. chega. queremos elevar a planta à sua dignidade enquanto produto consumido por pessoas (homens e mulheres) que conseguem olhar para lá das aparências. queremos conteúdo, de qualidade, como aquele que há dentro das vossas embalagens.

 

ficam aqui algumas sugestões.

saúde auditiva

DEsOnGkXkAA20T7.jpg

 

para quem já anda por este cantinho há algum tempo, sabem certamente do méniere que me acompanha e da necessidade de protecção auditiva que isso acarreta. 

há umas semanas li este artigo do Pedro, no observador, sobre aos meus amigos acufenos e aqueles que são os meus melhores amigos: os isolate mini. 

depois de reunir as condições para fazer o investimento (notem: os tampões não são propriamente baratos), fiz a encomenda e testei os ditos cujos durante o festival super bock, super rock. e são confortáveis, práticos de usar e, igualmente importante, giros. 

ainda que a minha relação com os tampões tenha uma razão muito específica, a verdade é que todos nós devíamos prestar mais atenção à saúde auditiva e a cuidados que deveriam ser diários. as cidades são muito ruidosas, não são só os espaços onde acontecem concertos ou festivais. e nestas ocasiões específicas todos deviam ter mais cuidado e fazer-se acompanhar de tampões. neste momento, estes são os meus preferidos. 

 

 

DEsOnGoWsAEH4aR.jpg

 

indignação, teatro ou estratégia comercial?

ligou-me uma senhora da MEO para saber quanto é que eu estava a pagar mensalmente pelos serviços que tenho (adivinhem??) na MEO. quando lhe disse o valor, ela reagiu indignada:

"mas a senhora está a pagar muito!"

não contive a gargalhada e disse:

"oiça, quem devia estar indignada, dessa forma, era eu. e quem pode resolver a questão, é a senhora."

e depois? bla bla, um pacote e o renhonhó e mais isto e aquilo. e coisas das quais não preciso, mesmo que sejam absolutamente grátis. e não, há coisas que não valem a pena o tempo ao telefone, o contrato novo e fanranfanfans.

 

os senhores da MEO deviam ter uma nota na minha ficha de cliente: a pior coisa que me podem fazer é perguntas sobre o tarifário: quanto paga, o que tem, e por aí. são coisas que decido num momento da minha vida e sobre as quais não quero pensar mais. nem sequer memorizo. há-de haver um papel onde isso está escrito. não gosto de ter que pensar sobre isto, se me puderem facilitar a vida e deixar tudo como está ou pedir-me um valor mais baixo pelo pacote já existente: sou uma pessoa feliz. não me ofereçam produtos ou pacotes com coisas que não me fazem falta e das quais não vou tirar partido: mesmo que pague menos. não é um argumento válido para mim.

linda de suza da filosofia :: mode on

tumblr_os9t9bvcrR1qhzqx6o1_500.jpg.png

 

madrid :: aveiro :: porto = uma espécie de maratona filosófica, da qual vou dando conta aqui, aqui e aqui

confesso que já sentia falta desta coisa de andar de mala de cartão na mão, entre um sítio e o outro, a "espalhar a palavra" da filosofia (para crianças). 

pelo meio, há cansaço e a pressão de ter uma tese para escrever. ao mesmo tempo, há uma espécie de serenidade estranha face a toda esta agitação: é um momento, um bom momento e como tudo o que é bom na vida, há sempre alguma dor e noites mal dormidas.

 

voltei a madrid, depois da aventura com o meu joselito, há uns anos. o congresso icpic coincidiu com o world pride e foi bonito ver tanta gente na rua, orgulhosa de ser quem é.  

 

foi a minha primeira vez num hostel (é giro isto de acordar com uma pessoa diferente no beliche ao lado, a cada dia que passa), a primeira vez que viajei para o estrangeiro em modo "all by myself". não me perdi (ok, aquela vez em que saí na estação de metro de aston martin não conta!), enfiei-me no primeiro starbucks que encontrei e comi uns donuts giros, mas giros. 

estou a ficar uma 'ssoa muito crescida, é o que é. qualquer dia apaixono-me ou coisa que o valha. e até estou apaixonada. eh pah as borboletas e essas merdas, sim.

 

 

unnamed.jpg