Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

all about little lady bug

ir, fazer acontecer, filosofar, sonhar, amar, amarfanhar, imaginar, criar, dançar, aprender e escrever - não necessariamente por esta ordem

13 reasons why

li todo um alarido, no twitter, à volta da série 13 reasons why. espreitei a conta da série e gostei da comunicação. fui ao tumblr e TAU, também gostei.

netflix, 30 dias gratuitos?

vamos!

dois episódios e: uau, que cena gira. a gaja - uma adolescente -  mata-se e "ressuscita" através de cassetes. giro, o conceito.

ao quarto episódio penso "se a miúda não se tivesse suicidado juro que eu ia lá e fazia isso por ela"

não há paciência. MESMO. 

sim, acontecem montes de coisas feias e horríveis quando se é adolescente: desde as hormonas à crise de não sabermos se somos crianças ou crescidos. é uma fase em que se faz muita merda, sim. penso que a série peca por dar ênfase ao lado negativo. e por isso é tão aborrecida. 

o grande problema da série é passar a ideia de que o ser humano é naturalmente bom e que a sociedade o corrompe. sobretudo no que diz respeito à personagem em torno da qual gira a história: a hannah. era uma querida e pronto, todos lhe fizeram mal e ela matou-se. e as razões de cada um deles para agir desta ou de determinada forma, hum? talvez encontrássemos outras 13 reasons why, para cada personagem. 

se os adolescentes devem ver? não há imperativo categórico que obrigue a isso, IMHO. não lhes faz mal, certamente. compensem com gomas e coca cola, pode ser? 

vale pela banda sonora. e pela forma como se explica o conceito ONLIFE, inerente  à geração Z (ok, e para nós millennials, também). 

 

2017-3-29-5c6fd800-2a91-474e-848f-14aca8af35d5.jpg

 

o que me vale é que hoje há mais um episódio de prison break 

 

 

uma mão cheia de coisas altamente sobrevalorizadas

- o "para sempre"

- o "amanhã"

- fazer a coisa certa

- a série 13 reasons why

- comprar casa

- casar - fazer listas

- ter um emprego

- férias em agosto

- a felicidade

- os carros pretos e/ou cinzentos

- ter o último modelo de...

- fotografias de sushi no instagram

- os livros do Chagas Freitas

- a empatia

- os graus académicos

- a pergunta: "o que fazes?" 

- as idas à praia, durante o verão

 

 

 

 

"joana, o que é que fazes?" - pelo olhar da Bárbara, a 'nha mai'nova

tumblr_omycrt0pBM1qhzqx6o1_500.jpg

 

a Bárbara tem 5 anos e é a minha afilhada mais nova. nasceu em 2012 e sempre conviveu com o lado digital da vida: os pais tem computador, smartphone, tablet. e sim, lá em casa também há livros e brinquedos - aliás, ainda ela não tinha nascido e eu já lhe tinha comprado um livro com um nome altamente sugestivo. desde sempre que a Bárbara aprendeu a fazer scrool down, a entrar em aplicações, a jogar no telemóvel ou no tablet. desde sempre, assim como aprendeu a brincar às cozinhas, às bonecas, a pintar com lápis de cor ou de cera e tudo aquilo a que uma criança tem direito.

há dias veio visitar-me cá a casa. pediu-me as canetas que lhe tinha emprestado "da outra vez". óbvio que, tendo em conta o caos que está o meu home office, a tarefa de encontrar aquelas canetas não foi bem sucedida. mas encontrei uma caixa de lápis de cor e um puzzle, em branco, para ela pintar. a Bárbara gosta muito de conversar e de fazer perguntas. às tantas olhou para a minha mesa de trabalho e disse: "tu trabalhas num sítio qualquer, não é? levas o computador e sentas-te. até podes ir para a rua e sentar-te a trabalhar."

e é isto mesmo. para a Bárbara é natural que alguém possa ter um trabalho "no computador" e que o possa fazer em qualquer lado, desde que se possa sentar (parece ser um critério para ela, esta coisa de trabalhar sentado). e sabe, também, que eu trabalho nas escolas, na filosofia, com crianças da idade dela. para a Bárbara o mundo é feito de pessoas diferentes: aquelas que têm um emprego fixo, num sítio e aquelas que têm muitos trabalhos e trabalham onde calha. 

a Bárbara faz parte daquela geração, que alguns chamam de Z, que já não se deslumbra com o digital, pois ele faz parte da sua vida. e ponto final. eu, millennial assumida, tive que me adaptar e lutar contra a resistência à mudança.

os desafios da Bárbara são outros, como é natural.

todas as gerações conhecem desafios, mudanças, alegrias, tristezas.

ainda vou ver a Bárbara a ajudar a minha mãe a trabalhar no tablet - é que a mamãe Sabel, nascida em mil nove e cinquenta e quatro, tendo apenas a quarta classe decidiu agora ter um tablet e aprender a navegar na internet. tem a cana e está a aprender a pescar: já comenta as minhas stories no instagram e já percebeu que o facebook é enjoativo, pois as pessoas só dizem mal. daqui a uns tempos é vê-la no twitter, a trocar tweets com o cesar millan. 

 

estranha-se e depois entranha-se - o fernando pessoa foi genial (como sempre) ao escrever este slogan para a coca cola. disse tantas coisas sobre as nossas vidas. 

 

voltar ao lugar onde e com quem somos felizes

tumblr_ooig5zEyoC1qhzqx6o1_500.jpg

encontrar aquele amigo de sempre, partilhar estórias e novidades. tristezas e alegrias. 

tumblr_ooig7p648G1qhzqx6o1_500.jpg

levar os totós a alcobaça e aproveitar para ouvir a minha banda portuguesa preferida de todo o sempre, "em casa". the gift, sim. foi muito, muito bom. emociono-me sempre com o "fácil de entender", danço, choro, sorrio. é tão bom ver que a banda se entrega à música, ao público. 

as músicas dos The Gift acompanharam tanto e muito alguns dos momentos mais importantes da minha vida. e depois, em palco, são sempre surpreendentes. esta tour, ALTAR, prima pela simplicidade na forma de estar em palco, mas com pormenores que são maiores, ainda que muito discretos.

e foi muito, muito bom ir ver um concerto just for the fun, sem ter que escrever reportagem.

toda uma liberdade só para sentir. sem ter que tomar notas ou prestar atenção ao alinhamento. 

tumblr_ooisrcqzOF1qhzqx6o1_500.jpg

dias de puro egoísmo: livros, e o M da Mónica Mendes. 

tumblr_ooglaceNOo1qhzqx6o1_500.jpg

 

e aquela miúda mais gira, claro. a mais bonita. a mais doce, não fosse Mel, o seu nome

tumblr_oogq1z0gq91qhzqx6o1_500.jpg

 yoga na companhia do kendrick. a internet estava completamente louca com este DAMN.

tumblr_ooi53bwaOQ1qhzqx6o1_500.jpg

 

e a autenticidade. ser autêntico é um compromisso para connosco. não tem nada a ver com os outros. 

 

stories, everywhere

C8rHcdtVYAADJF0.jpg

e se de repente te convocam para falar de branding e social crm, numa turma de marketing digital? bom, isso é impulse. e é trabalho. daquele que se faz ao sábado à tarde, com sol lá fora e temperaturas quentes. e com sorriso nos lábios, claro.

para supreender a turma levei comigo um artefacto que contém histórias: não, não foi o instagram ou o facebook. foi mesmo um objecto. um livro.

e não é que fiz um brilharete? melhor ainda quando entreguei a cada um deles um cartão de visita: "um cartão a sério, nem dá para fazer scroll down"

 

pois não. é tão bom ver como esta coisa do digital é MESMO sobre pessoas. e relações. e experiências.

foi um gosto partilhar 3h de conhecimento, exemplos, humor, estratégia, planeamento com alunos motivados e interessados até mais não.

 

 

decidi começar a registar...

...os motivos pelos quais me contactam (via telemóvel, fb messenger, DM, e-mail - por aí)

 

 

"sabes onde encontro o pó de talco, no continente?"
"encontrei um cão perdido"
"tu conheces toda a gente..."
"podes emprestar-me os lusíadas?"
"emprestas-me a tua capa do traje?"

 

(não escrevi no facebook, mas também me contactam para momentos de sexo daquele tórrido e suado. ou então não!)

 

steinar-engeland-128831.jpg

 

[em actualização]

 

 

"quem és tu?"

troco cartas com o J. há uns anos. foi com ele que começou a aventura filopenpal.

conheci-o, finalmente, em pessoa, na semana passada. eu estava em casa com o pai e a irmã e ele estava no treino. quando chegou e me viu perguntou: "quem és tu?" 

sou a joana, das cartas.

o pai: então, é a joana. já te mostrei fotografias dela. 

 

"ah, mas eu nunca te tinha visto mesmo"

e lá me deu um abraço e um beijinho. 

 

ao jantar, surgiram perguntas. as tatuagens. que idade tens. tens marido? "não". mas porquê? "ainda não aconteceu casar ou juntar-me". não gostas de homens? "gosto, ainda não encontrei aquele homem com quem quero estar, assim como a tua mãe encontrou o teu pai." está bem, disse o J.

 

depois do jantar fomos brincar. fazer desafios, escrever, contar, inventar palavras.

 

"sabes o que é o dedo do meio, joana?"

sei, tenho dois.

"pronto e tu gostas do dedo do meio?"

francamente, faz-me tanta falta como os outros.

"mas sabes o que quero dizer?"

sei, por isso é que faço sempre o dedo do meio com o mindinho.

 

o J. tem 8 anos, adora jogar futebol e é uma mini-'ssoa adorável.

 

tumblr_ons9r4qLiE1qhzqx6o1_500.jpg

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D